Revolucionando a segurança do paciente, o texto aborda a importância do monitoramento contínuo não invasivo da pressão arterial (CNAP), em comparação com o monitoramento oscilométrico intermitente (NIBP), especialmente em ambientes perioperatórios.

Destaca-se que o monitoramento contínuo da pressão arterial (PA) pode melhorar significativamente a segurança do paciente. Além disso, esse método auxilia no gerenciamento hemodinâmico durante as cirurgias, sendo mais eficaz na detecção e manejo de instabilidades hemodinâmicas. Consequentemente, isso aumenta a chance de melhores resultados para os pacientes.

Monitoramento NIBP

A Sociedade Americana de Anestesiologistas (ASA) recomenda o monitoramento dos sinais vitais pelo menos a cada 5 minutos para manter o padrão de atendimento em ambientes perioperatórios1. O método não invasivo comumente usado para atender a esse requisito é o NIBP, que mede automaticamente a pressão arterial em intervalos regulares. No entanto, considerando que a detecção precoce de eventos de PA baixa ou alta é crucial para o manejo perioperatório, este método pode ser insuficiente para rastrear alterações importantes da PA de forma eficiente ao longo do tempo.

Em pacientes críticos ou em cirurgias de grande porte, a monitorização invasiva da pressão arterial (IBP), que fornece valores batimento a batimento, é considerada o padrão-ouro. No entanto, essa abordagem está frequentemente associada a complicações1. Para cirurgias de baixo risco, a utilização da IBP não se justifica devido aos riscos potenciais. Apesar disso, a hipotensão intraoperatória não detectada tem sido associada a maus resultados em vários estudos, incluindo lesões renais e de outros órgãos, lesões miocárdicas e aumento da mortalidade intra-hospitalar.

Monitoramento IBP
Monitoramento CNAP

Evidências recentes mostraram que uma PA média intraoperatória <80 mm por mais de 10 minutos pode resultar em lesão de órgãos2. A medição contínua da PA pode contribuir para melhorar os resultados em tais ambientes. Dispositivos de monitoramento não invasivos que podem medir a PA contínua serão ideais para preencher a lacuna entre a IBP e a NIBP.

O avanço do monitoramento contínuo da PA

As pesquisas mais recentes confirmam o benefício das técnicas não invasivas contínuas em relação às técnicas oscilométricas intermitentes. Nesse contexto, o objetivo de uma nova revisão sistemática e meta-análise foi analisar as vantagens da monitorização contínua da pressão arterial não invasiva (CNAP) em comparação com a monitorização oscilométrica intermitente (NIBP).

Para isso, foram incluídos seis ensaios clínicos randomizados (ECR) com 686 pacientes cirúrgicos e seis estudos observacionais em diversas indicações cirúrgicas, com foco nos resultados hemodinâmicos relacionados a:

  • objetivos primários: a incidência de hipotensão e hipertensão
  • objetivos secundários: duração da hipotensão ou hipertensão e PA fora da faixa clínica normal, tempo para detectar hipotensão e/ou hipertensão

Resultados

Os resultados mostram diferentes aspectos das vantagens do uso da monitorização contínua não invasiva, que podem resultar em uma contribuição positiva para a recuperação pós-operatória. Notavelmente, cinco dos seis ensaios clínicos randomizados (ECRs) relataram uma diminuição na incidência de hipotensão. Os pacientes monitorados com CNAP apresentaram 75% menos chances de sofrer hipotensão. Além disso, cinco dos seis estudos observacionais focaram na capacidade da medição contínua não invasiva de detectar episódios hipotensivos, em comparação com o NIBP padrão, em ambientes variados, incluindo endoscopias e cesarianas. Estes estudos observaram uma melhor detecção de episódios hipotensivos. Especificamente, a hipotensão foi detectada pelo menos 1,5 minutos mais rápido com o CNAP em comparação com os métodos tradicionais.

RESULTADOS

Conclusão

A medição contínua não invasiva da PA melhora a estabilidade hemodinâmica em pacientes cirúrgicos e permite:

  • diminuição na incidência de hipotensão e hipertensão
  • redução da duração da hipotensão
  • diminuição da duração da PA fora da faixa normal em até metade
  • detecção precoce de hipotensão

A vantagem de uma detecção mais rápida de hipotensão devido ao monitoramento em tempo real permite o início de medidas corretivas oportunas para estabilizar a PA. Isto pode levar a episódios significativamente menos hipotensivos durante a cirurgia em comparação com a NIBP. 

Resumo

Os métodos não invasivos contínuos, como o manguito de dedo, demonstraram reduzir a duração da hipotensão e da instabilidade hemodinâmica, detectando episódios mais precocemente em comparação com a monitorização oscilométrica intermitente (NIBP).

Os resultados desta revisão, juntamente com os estudos individuais, destacam o valor promissor da medição contínua da pressão arterial não invasiva em ambientes cirúrgicos. Esses métodos têm potencial para melhorar significativamente o cuidado e a segurança do paciente. Além disso, o avanço nos algoritmos de monitoramento e a melhoria no desempenho de medição dos novos dispositivos indicam uma mudança positiva no futuro do monitoramento hemodinâmico em ambientes cirúrgicos.

Referências

[1] Rajarathinam, M. et al. Comparison of hemodynamic stability with continuous noninvasive blood pressure monitoring and intermittent oscillometric blood pressure monitoring in hospitalized patients: A systematic review and meta-analysis. Anesth. Essays Res.0, 0 (2023)

[2] Wesselink, E. M., Kappen, T. H., Torn, H. M., Slooter, A. J. C. & van Klei, W. A. Intraoperative hypotension and the risk of postoperative adverse outcomes: a systematic review. Br. J. Anaesth. 121, 706–721 (2018)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *